Pela vida das Mulheres

9 nov 2020, 14:37

A violência contra as mulheres aumentou na pandemia. No Pará, o número de processos abertos de violência doméstica aumentou em 17,7% e o Brasil segue entre os países que mais mata mulheres no mundo. O machismo e obscurantismo estimulado pelo Bolsonarismo agrava essa situação. Assim, as mulheres sofrem na pele a violência como consequência do machismo, desigualdade, pobreza e isolamento da pandemia. 

Derrotar o machismo é uma das nossas prioridades! Assim, queremos que Belém seja uma cidade que respeite e seja segura para as mulheres, por isso lutaremos por: 

1. Campanhas permanentes de combate a violência contra a mulher, assédio e outras formas de machismo;

2. Mais creches nos bairros periféricos de Belém;

3. Políticas públicas de emprego e renda para mulheres;

4. Combater a cultura do estupro no transporte, ruas e locais de trabalho;

5. Direito à educação integral para as crianças para que as mulheres mães possam trabalhar e estudar;

6. Garantir a não discriminação no trabalho e pela promoção da dignidade de mulheres trans, lésbicas e bissexuais;

7. Fortalecimento dos grupos de auto-organização de mulheres de combate ao machismo e a violência contra a mulher;

8. Capacitação dos profissionais da saúde para melhor atenção a saúde das mulheres, sobretudo mulheres negras e LBT;

9. Lutar pela construção de Casas de Parto ou Centros de Parto Normal (CPN) em Belém com obstetras, parteiras tradicionais e doulas em luta permanente contra a violência obstétrica; 

10. Uma Política de saúde sexual e reprodutiva emancipadora: Com educação sexual para prevenir, anticoncepcionais para não engravidar e aborto legal, seguro e gratuito para não morrer;

11. Exigir a implementação da Política de Atenção Integral à Saúde da Mulher no município, organizando o fluxo de demandas para a Casa de Saúde da Mulher oportunizando acesso a consultas e exames preventivos ao câncer do colo de útero e mama em todos os distritos;

12. Garantir o ingresso de percentual mínimo de mulheres nos concursos da Guarda Municipal;

13. Defender a criação do centro de recuperação de homens agressores como uma das formas de combate a reincidência de violência contra mulher;